13 de setembro de 2016

Como a escola e os pais devem trabalhar a Educação Alimentar?

educação-alimentar-garriga

As mudanças no estilo de vida da população têm refletido de maneira negativa nos seus hábitos alimentares. Em consequência, a incidência de doenças crônicas como obesidade, diabetes, hipertensão e distúrbios cardiovasculares vem aumentando de forma alarmante. As crianças e os adolescentes são os mais suscetíveis a todo esse processo pois, desde pequenos, vivem em uma cultura de excesso de alimentos e pouca atividade física.

Uma forma de reverter esse quadro é através da educação alimentar e nutricional. Como as crianças passam, em média, 25 horas semanais no ambiente escolar (ou quase o dobro disso no caso das que ficam em período integral), muitas escolas têm atribuído mais importância ao tema, com o objetivo de promover hábitos alimentares saudáveis.

Se antes os pais baseavam suas escolhas avaliando apenas o currículo escolar de uma instituição, hoje essa análise vai muito mais além e envolve, também, a questão da alimentação. Muitos alunos chegam a fazer todas as refeições na escola, do café da manhã ao jantar, passando pelo lanchinhos. Por isso, é fundamental que os pais avaliem como a escola dos filhos tratam essa questão.

O que é Alimentação Saudável?

A alimentação saudável é a ingestão de, principalmente, alimentos naturais em nossas refeições diárias. Ela é nutricionalmente suficiente, adequada, completa e composta por uma grande variedade de alimentos. A alimentação saudável cobre nossas necessidades biológicas básicas, permite que nosso corpo funcione com normalidade e previne ou reduz o risco de desenvolver diversas doenças a curto, médio e longo prazo.

Cuidados na alimentação

Há alguns anos a Organização Mundial de Saúde (OMS) vem manifestando uma enorme preocupação com as questões relativas a consumos alimentares da população sobretudo dos jovens. De fato, o paradigma da saúde mudou: a sobrenutrição passou a ser alvo de uma atenção tão grande quanto a subnutrição. Atualmente, a OMS reconhece que a obesidade apresenta uma prevalência superior à desnutrição e às doenças infecciosas e define a obesidade como a epidemia do Séc. XXI.

As escolas são espaços educativos e devem criar cenários que valorizem uma alimentação saudável, não só através dos conteúdos curriculares mas, também, através da oferta de alimentos adequados no meio escolar. Assim,  as crianças e adolescentes serão progressivamente, capacitados a fazer escolhas mais saudáveis.

Por que trabalhar a Educação Alimentar nas escolas ?

Apesar da família ser a principal responsável pela alimentação das crianças, a escola também pode ajudar bastante nesta questão. Ela tem como desafio estimular os alunos para que ampliem e melhorem seus hábitos alimentares e suas escolhas frente às diferentes opções de alimentos disponíveis.

A escola é considerada uma zona de desenvolvimento para uma boa educação nutricional, já que atende as crianças na etapa em que seus hábitos estão sendo formados. A instituição também proporciona um ambiente onde as crianças se desenvolvem, através da interação com outros alunos e com adultos, como professores, diretores e outros funcionários.

O conhecimento que os alunos adquirem também chegam as famílias e podem se transformar em um canal para a participação da comunidade em geral.
Promover a educação alimentar através das escolas pode criar benefícios que se estenderão muito além das salas de aula e poderão melhorar a saúde e o bem estar nutricional de muitas pessoas.

Quer saber mais sobre Educação Alimentar? Baixe nosso e-book gratuito e veja como os pais e a escola podem estimular hábitos saudáveis nas crianças:

Ebook-Educação-ALimentar

Notícias Relacionadas